Carta de Noticia de Angola - Economia
 
Economia

Economia (103)

Angola é um dos países que mais melhorou no Índice que mede os Riscos e Recompensas em África, feito pelas consultoras Risk Controls e Capital Economics, apesar de preverem uma recessão de 0,5% este ano.

As exportações de produtos e serviços para Angola desceram 30% desde que João Lourenço assumiu a Presidência do país, ao passo que as vendas para Portugal subiram 276,5%, para mais de 430 milhões de euros.

Os pequenos depositantes do sistema bancário angolano estarão isentos do pagamento do Imposto Sobre Valor Acrescentado (IVA) nas suas transações, indicou hoje, em Luanda, a administradora do Banco Nacional de Angola (BNA).

A falta de estudos de viabilidade e de definição dos mecanismos de gestão estão na origem do fracasso da fábrica de processamento de tomate e banana e do entreposto frigorífico, na província do Bengo, considerou hoje o presidente do Conselho de Administração da Caxito Rega, João Mpilamosi Domingos.

A Câmara de Energia Africana divulgou hoje que as companhias petrolíferas a operar em Angola estão prontas para concorrer às novas licitações anunciadas esta semana e que querem ajudar o Governo a aumentar a produção petrolífera.

A petrolífera estatal angolana Sonangol indicou hoje ter assinado com a multinacional norueguesa Equinor um novo memorando de cooperação que perspetiva a realização de atividades de exploração conjunta de petróleo na bacia do Baixo Congo.

A moeda angolana voltou na segunda-feira a bater mínimos históricos face à europeia, ultrapassando pela primeira vez os 50% de desvalorização desde que, em 09 de janeiro de 2018, as autoridades de Luanda puseram fim à taxa de câmbio fixa.

O presidente da Associação Industrial de Angola (AIA), José Severino, considerou hoje "insustentável" o Governo angolano suportar 32 ministérios, afirmando ser "vergonhoso" o país "continuar a importar bens da cesta básica", pressionando as Reservas Internacionais Líquidas (RIL).

A Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANPG) de Angola indicou hoje a "falta de novos projetos e de investimentos" na exploração petrolífera como as "grandes consequências para o declínio da produção" desde 2014.

O diretor nacional do Ministério do Turismo de Angola disse hoje à Lusa que vai recomendar ao Governo angolano que acelere o processo da lei de jogos no país, a exemplo de Macau, a capital mundial do jogo.