Carta de Noticia de Angola - Economia
 
Economia

Economia (30)

As operações cambiais privadas passam a ser feitas, a partir do próximo mês de Janeiro, sem necessidade de apresentação de qualquer documentação, como acontece actualmente, anunciou o Banco Nacional de Angola (BNA), num aviso divulgado na sua página oficial na Internet.

O Governo angolano adiou para 15 de julho a entrada em vigor do aumento do tarifário de energia, que sofre um reajuste até 97%, deixando o Estado de a subvencionar, informou hoje o Ministério das Finanças.

O início da entrada em vigor do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) em Angola, já adiado por duas vezes, ocorrerá em 01 de outubro próximo, noticia hoje a imprensa angolana.

A defesa dos cinco réus, incluindo o ex-ministro dos Transportes de Angola Augusto Tomás, acusados de peculato, entre outros crimes, pediram hoje a sua absolvição, nomeadamente por alegada falta de provas.

A dívida pública angolana atingiu o valor mais alto de sempre no final de 2018, ao chegar aos 84,8% do Produto Interno Bruto (PIB), equivalente a 65.500 milhões de euros, rácio que era de 35% em 2013.

A Sonangol admitiu no sábado que a dificuldade no acesso às divisas para a cobertura dos custos com a importação de produtos refinados é um dos fatores da escassez de combustíveis nos principais postos de abastecimento em Angola.

Apesar da forte desvalorização do kwanza desde 2016, que resultou numa aproximação inédita aos preços da região Austral, o mercado nacional de telefonia móvel e Internet continua a cobrar valores acima da média.

As obras de construção do novo aeroporto internacional de Luanda poderão estar concluídas entre 2022 e 2023, com recursos financeiros garantidos da linha de crédito da China, disse hoje um responsável da empresa de gestão aeroportuária.

A empresa angolana Telstar ganhou o concurso público internacional para quarta operadora de telecomunicações em Angola, anunciou hoje o ministro das Telecomunicações e das Tecnologias de Informação.

Empresária angolana está sob pressão no Banco de Fomento de Angola (BFA) com o CaixaBank alegadamente incomodado com o conflito entre Isabel dos Santos e o Estado angolano