Carta de Noticia de Angola - Tchizé dos Santos: ela tem todo o direito de se defender bem ou mal e porcamente
 


Tchizé dos Santos: ela tem todo o direito de se defender bem ou mal e porcamente

Written by  maio 13, 2019

Deveria apenas deixar o Rafael marques em paz

Ultimamente esta senhora que se tornou numa das (estrelas) que brilha nas redes sociais vendendo as suas bujardas. Uma milionária mijona que até deu em deputada graças aos critérios atípicos decretados pelo seu pai.

Sempre que aparece nas redes sociais para se defender menciona o Rafael Marques, como se este se tratasse de algum sacana e carrasco que a selecionou como alvo a abater Não acho correto esta forma como ela quer lançar em descrédito o bom trabalho de um jornalista com a estrutura moral.

Ética e profissional do Rafael Marques um dos jornalistas mais conceituados, respeitado e admirado dentro e fora do país. Não tenho problemas em dizer que conheço tão bem se calhar melhor do que muitos que lidam com ele diariamente ai em Angola.

O carácter, perfil, estrutura moral, ética e profissional do Rafael Marques que já foi alvo de estudos cá fora, com quem tenho uma relação muito especial. Rafael Marques nunca iria escrever ou publicar nada sobre a Tchizé ou outro assunto qualquer, sem que tivesse antes todas as provas juntas.

Ele é uma pessoa muita séria, responsável e tão cautelosa de forma tal.

Ao ponto que ás vezes até chaga mesmo a duvidar de forma saudável, algumas das suas próprias fontes, verificando os interesses das mesmas. Faz ele bem e prova o seu grande sentido de responsabilidade, neutralidade e profissionalismo.

Já que ás vezes as informações sigilosas recebidas poderem ser desmentidas em fração de segundos e com elementos mais confiáveis e convincentes. Não só desmentidas como as vezes poder haver uma tentativa maldosa e até mesmo criminosa.

De utiliza-lo para fazer veicular um determinado assunto e por isso, ele mesmo procura sempre dentro do possível ouvir a outra parte para se tirarem as dúvidas.

Rafael Marques sabe do perigo que corre num país como Angola, onde quase já foi tradição matar-se jornalistas por ordens superiores. Por isso mesmo, não acredito que meteria a cabeça onde ninguém mete um pé, escrevendo mentiras ou caluniando seja quem fosse.

Se o quiserem matar qualquer dia, que o façam pela verdade do seu trabalho investigativo em prol de Angola e para bem de todos os angolanos.

Sou de opinião de que o jornalista que tem acesso a informações de interesse público, deve sim divulga-lo e não só.

Assim como não poupar nomes nem posições que alguém ocupa como servidor público. Agora no caso de acesso a informações sensíveis dever levar em consideração o interesse público e avaliar ele mesmo se vale pena expor alguém que o segredo de Justiça pretende proteger ou não.

E não se lhe impor com leis tipo fechadura e chave para lhe abrir a boca para falar deste e aquele assunto. E depois lhe fechar para não falar de um outro assunto, só porque já cita o nome da Tchizé, João Lourenço ou de um Bornito de Sousa por exemplo.

Fernando Vumby

Continuarei.

Luis Coutinho Muhungo

Sou jornalista angolano apaixonado pela política, atualmente trabalhando como editor e Colunista do Jornal Digital Carta de Angola desde janeiro de 2018, escreve sobre os artigos da economia e da politica em geral.

muhungo@cartadeangola.info   Tel: +244924354291

Website: cartadeangola.info
. .
.
.