Carta de Noticia de Angola - Politica
 
Politica

Politica (129)

O líder do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), no poder, acusou hoje supostos militantes do partido de estarem por detrás de uma campanha que visa a intoxicação e destabilização do país.

O presidente de Angola anunciou esta terça-feira a decisão de demitir o ministro das Finanças, Archer Mangueira . O seu lugar vai ser ocupado por antiga secretária de Estado para as Finanças e Tesouro  Vera Santos Daves.

A secretária de Estado para a Juventude do Governo de Angola, Guilhermina Fundanga Manuel Mayer Alcaim, foi hoje exonerada pelo Presidente da República, tendo sido anunciada a nomeação de Fernando Francisco João para o cargo.

O político Abel Chivukuvuku anunciou hoje, sexta-feira, em Luanda, a sua nova força política, o Partido de Renascimento Angolano - Juntos por Angola (PRA-JA), com o qual pretende concorrer às próximas eleições gerais.

O general Manuel Hélder Vieira Dias "Kopelipa" afirmou hoje não ter qualquer ligação com a Soportos, a empresa portuária que explorava os terminais nos Portos de Luanda e do Lobito.

O Presidente de Angola exonerou os ministros da Economia, Agricultura e Interior e trocou os governadores de Cabinda e Kuando Kubango, colocando Manuel Neto da Costa na Economia, Eugénio César Laborinho no Interior e António Francisco de Assis na Agricultura.

O Presidente da República, João Lourenço, exonerou hoje os embaixadores Domingos Culolo, acreditado na República da Polónia, Toko Diakenda Serão, na República do Gabão, António Fwaminy da Costa Fernandes, na República Árabe do Egipto, e Lizeth Nawanga Satumbo Pena, na República da Hungria.

O secretário de Estado adjunto norte-americano para os Assuntos Africanos considerou hoje os esforços de combate à corrupção em Angola "um sinal positivo" para os investidores estrangeiros, sustentando que "projetam estabilidade" para todo o continente.

As autoridades de Angola e dos Estados Unidos da América vão passar a trocar informações com vista à prevenção, investigação e combate à criminalidade internacional, conforme memorando de entendimento assinado hoje em Luanda pelos dois governos.

O Presidente angolano desvalorizou as críticas da oposição, que vê no Plano Integrado de Intervenção nos Municípios fins "meramente eleitoralistas", e considerou que o Fundo Soberano pode ter menos de cinco mil milhões de dólares (4,4 mil milhões de euros).