Carta de Noticia de Angola - Luis Coutinho Muhungo
 
Luis Coutinho Muhungo

Luis Coutinho Muhungo

Sou jornalista angolano apaixonado pela política, atualmente trabalhando como editor e Colunista do Jornal Digital Carta de Angola desde janeiro de 2018, escreve sobre os artigos da economia e da politica em geral.

[email protected]   Tel: +244924354291

Website URL: http://cartadeangola.info Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

A ministra da Saúde e os dois secretários de Estado foram hoje vacinados contra a covid-19, em Luanda, no quinto dia desde que foi lançado o programa de vacinação, apelando à população para aderir à vacina.

O partido Bloco Democrático (BD), oposição angolana, considerou hoje que o MPLA, no poder, "deve fazer uma cura de oposição para limpar a corrupção em si instalada", enquanto a UNITA apontou a "impopularidade" dos "camaradas" do MPLA como fundamento da revisão constitucional.

A consultora Eurasia considerou hoje que a proposta de revisão constitucional em Angola vai originar um adiamento das eleições autárquicas para 2022 ou 2023, o que beneficia o atual Presidente.

Um projeto de apoio às micro, pequenas e médias empresas no acesso ao financiamento, denominado "Envolver", foi hoje lançado, em Luanda, no âmbito de um financiamento de dois milhões de dólares da União Europeia ao Governo angolano.

O político angolano Abel Chivukuvuku acusou hoje o MPLA, no poder, de ser um "partido de truques e que nunca ganhou eleições", considerando que a proposta de revisão constitucional é "um mero exercício de cosmética" que "contém armadilhas".

A polícia angolana impediu a saída de mais de 156 mil euros, em posse de um cidadão nacional, no município do Soyo, província do Zaire, que pretendia viajar para a vizinha República Democrática do Congo.

O economista-chefe da consultora Eaglestone considerou hoje à Lusa que a subida dos preços do petróleo é uma notícia positiva para Angola, podendo transformar um défice orçamental de 2,2% num excedente de 3%.

A UNITA, Bloco Democrático (BD) e o PRA-JA Servir Angola, oposição angolana, defenderam hoje que a revisão constitucional deve consagrar, como ponto de partida, a "eleição direta e livre" do Presidente da República por todos os cidadãos nacionais.