Carta de Noticia de Angola - Instituto Nacional de Luta Contra Sida diz que a menina "está livre do HIV e da Sida"
 


Instituto Nacional de Luta Contra Sida diz que a menina "está livre do HIV e da Sida"

Written by  Jul. 30, 2019

O Instituto Nacional de Luta Contra Sida (INLS) reafirmou nesta terça-feira, em Luanda, que a criança exposta ao HIV por transfusão de sangue, há nove meses, no Hospital Pediátrico de Luanda "David Bernardino", "está livre do HIV e da Sida".

Em declarações à Rádio Nacional de Angola, a médica Graça Manuel, que falava em nome do INLS, considerou infundadas as declarações e acusações feitas por familiares da menor.

Nos últimos dias, familiares da mesma veicularam, por via das redes sociais, informações que davam conta de uma suposta contaminação da criança.

A propósito, Graça Manuel esclareceu que, com a transfusão sanguínea, a criança esteve exposta ao vírus, mas não foi contaminada.

Com base em evidências científicas, afirmou, a mesma "não tem e não terá o VIH ou SIDA" como resultado desta exposição.

"Actualmente a criança é negativa. Temos exames complementares que demonstram e apresentam negatividade", reafirmou.

Adiantou que em função das "medidas tomadas e do seguimento rigoroso do estado da criança, foi possível, nas análises regulares, observar a redução gradual dos anticorpos até a sua eliminação e a confirmação de ausência da carga viral, o que significa que a criança foi exposta, mas não foi infectada".

O Instituto Nacional de Luta contra a SIDA avaliou a criança e cerca de 18 horas após a transfusão com sangue contaminado, iniciou o tratamento preventivo com antirretrovirais, que de acordo com os protocolos internacionais deve ser iniciado até 72 horas após uma exposição ao VIH, para evitar a sua entrada e replicação nas células do sistema imunológico do indivíduo exposto.

No mundo, há pelo menos mais dois casos que foram publicados em revistas científicas e que tiveram o mesmo desfecho.

Em 1998, no Brasil, uma mulher adulta negativou na amostra do sétimo mês após transfusão. Já em 2014, na Arábia Saudita, publicado em conjunto com a Universidade de Harvard, uma criança de 12 anos negativou no sexto mês após a exposição.

. .
.
.