Carta de Noticia de Angola - Angola continua entre 10 piores no Índice Ibrahim de Boa Governação Africana
 
Ultimas Noticias


Angola continua entre 10 piores no Índice Ibrahim de Boa Governação Africana

Nov. 20, 2017

Angola manteve o 45.º lugar no Índice Ibrahim de Boa Governação Africana 2017 num total de 54 países, refletindo uma tendência negativa dos últimos anos e mantendo-se entre os dez piores, foi hoje divulgado.

Angola recebeu uma pontuação de 39,4 pontos numa escala de 100, contra 39,2 no ano passado.

O país continua assim no grupo dos 10 países com pior avaliação, em que se destacam Somália, Sudão do Sul e Eritreia.

Apesar de a tendência dos últimos 10 anos ser positiva, desde 2012 reverteu os progressos feitos, mostrando sinais preocupantes.

Angola estagnou o progresso na categoria de Segurança e Estado de Direito e regrediu nas categorias de Participação e Direitos Humanos, de Desenvolvimento Humano e, em particular, de Desenvolvimento Económico Sustentável.

Alguns dos piores desempenhos surgem nos indicadores relativos à instabilidade social, violência política, liberdade de expressão, liberdades civis, equilíbrio das contas públicas, procedimentos alfandegários e vacinação.

Por outro lado, mostrou progresso em indicadores como serviços públicos na Internet, igualdade de género, legislação contra a violência sobre as mulheres, infraestrutura elétrica e política para o tratamento do HIV.

Lançado pela primeira vez em 2007 pela Fundação Mo Ibrahim, o Índice Ibrahim de Governação Africano (IIAG) mede anualmente a qualidade da governação nos países africanos através da compilação de dados estatísticos.

O objetivo é informar os cidadãos, governos, instituições e o sector privado com base em dados concretos e quantificados que avaliam a provisão de bens e serviços públicos e os resultados das políticas para assim estimular o debate sobre o desempenho da governação.

A informação é recolhida junto de 36 fontes oficiais, das quais quase um terço são africanas, tendo este ano aumentado para 100 o número de indicadores.

Estes são usados para criar 14 subcategorias, que, por sua vez, formam quatro categorias: Segurança e Estado de Direito; Participação e Direitos Humanos; Desenvolvimento Económico Sustentável e Desenvolvimento Humano.

. .
.
.
  1. + LIDOS
  2. Comentarios